30 de maio de 2010

Histórias de amor

Na oficina em Cuiabá, alguem escolheu pra ilustrar este hai- kai do Leminski:
Amar é um elo
Entre o azul
e o amarelo

Les histoires d'amour finissent mal en general, já disseram Les Ritas Mitsouko. Mas, poxa...como é bom começar. Aconteceu de novo no caso do soldadinho de chumbo: um brinquedo, no meio de outros esquecidos pelo dono. Sim, como no Toy Story, que obviamente se inspirou nessa idéia irresistivel de Andersen, que nem deve ter reclamado direitos autorais pois morrera há mais de cem anos. Estava tudo ótimo porque a bailarina, por quem o soldadinho se apaixonou ao vê-la em demi-pliê, tambem gostava dele. Já contei que ele era deficiente? Mas eis que ele cai da janela, é sequestrado por bad-boys, posto num barquinho de papel na chuva, tragado pelo esgoto, achacado pelos ratos, engolido por um peixe, que horror...E finalmente recuperado pela cozinheira da própria casa de onde saira! Então. Mó legal, mêu, porque como disse, a bailarina tinha mesmo uma quedinha por caras fardados. Mas Andersen achou que tinha que terminar mal: um brinquedo mal-amado empurra o soldado para a lareira e, prá completar, um pé de vento sopra a bailarina prá lá tambem. E os dois se acabam juntos no fogo. Uau!

Acabei de chegar do musical infantil O Soldadinho e a Bailarina, que está no Teatro Tom Jobim, que fica dentro do Jardim Botanico no Rio. Portanto se voce chega uma hora antes tem dois programas em um! É estrelado pela Luana Piovani e dirigido pelo Gabriel Vilela.
Acontece que o elenco é tipo Broadway. São atores-cantores que quando abrem a boca te deixam de boca aberta. Bati palminhas e assobiei especialmente pras queridas e luminosas Jana (ína Azevedo) e, (pausa), Germana (Guilhermme)

E caso voce nunca tenha sofrido por amor, veja como reage alguem experiente no assunto.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Legal Silmara!
    Tomara que role e que possamos estar juntos em breve.
    Fale com Adriana minha produtora: adrizonis@gmail.com
    Abraço,
    Ivan Zigg

    ResponderExcluir

comentários