19 de setembro de 2009

meu livro favorito

"Onde a lua deixou
o seu saco noturno de farinha?"

Este é meu livro de cabeceira. De pé, sentado ou plantando bananeira. O que levaria para uma ilha deserta ou superpovoada. Ou para levitar numa medonha fila de banco. Este é o livro para os dias de chuva, na poltrona com radio de pilha e biscoito. O livro para se colocar sob o travesseiro numa noite demasiadamente escura. O livro que traz todas as respostas, embora nenhuma venha escrita. Para se ler sorrindo.

verdade que espalham
cartas transparentes pelo céu?"

Esqueça aquele livro chato do imortal poeta Fulano. Este aqui não é um livro de poesias. É poesia em si, a começar pelas imagens. Esse cara esteve no Brasil há pouco, passou três anos fazendo. E o nome do poeta-escritor é Pablo: não é genial?

"Por que me movo sem querer,
por que não fico parado?"

Qual o livro onde até as biografias, lá no fim, são obras primas assinadas por crianças?
"...Isidro usou toda a madeira do barco para fazer suas esculturas, que eram cada vez mais bonitas e maiores, e no fim já não tinha barco para seguir. Então fez uma exposição."

"Para onde vão as coisas do sonho?
Vão para os sonhos dos outros?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários